Bem-vindo à Norópolis

Anthony Braxton
Diamond Curtain Wall Quartet (EUA)

foto: Peter Gannushkin
Festival Jazz na Fábrica
Diamond Curtain Wall Quartet (EUA)
Anthony Braxton | Ingrid Laubrock | Mary Halvorson | Taylor Ho Bynum


07 de agosto - quinta - 21h
08 de agosto - sexta - 21h
Sesc Pompéia (teatro): Rua Clélia 93, Pompéia; São Paulo/SP
$25 / $25 / $50
+ SESCSP
"O compositor, improvisador e saxofonista americano Anthony Braxton desembarca em São Paulo para duas apresentações no Festival Jazz na Fábrica (Sesc Pompéia) com seu Diamond Curtain Wall Quartet, que conta com figuras notáveis da cena musical atual: Taylor Ho Bynum (cornet, flugelhorn, e conchas), Mary Halvorson (guitarra e efeitos) e Ingrid Laubrock (saxofone tenor).

Referência na música criativa desde a segunda metade do século XX, sua presença é inédita no Brasil e contempla um público crescente interessado em música contemporânea, jazz e improvisação livre. Das raízes musicais afro-americanas à música de vanguarda europeia, Braxton é uma das figuras que consegue fazer com maestria a ponte entre vertentes do jazz, sobretudo o free-jazz, e a música contemporânea de concerto.

Já nos anos sessenta colaborou e gravou com o AMM, grupo europeu pioneiro na busca por um tipo de música desvinculada de gêneros estabelecidos, que incluía Cornelius Cardew, Keith Rowe, Lou Gare e Eddie Prévost, além de parcerias com os também americanos Christian Wolf e Steve Lacy. Nos Estados Unidos, no mesmo período, integrou a Association for the Advancement of Creatives Musicians (AACM), coletivo que contava com Jack Dejohnette, Roscoe Mitchell e Lester Bowie (estes dois últimos do lendário Art Ensemble of Chicago). Além dos precurssores do free-jazz, teve grande influencia de compositores eruditos como Karlheinz Stockhausen e John Cage.

Multi-instrumentista, com destaque para o saxofone, instrumento do qual domina todas as famílias, Braxton estudou simultaneamente Composição e Filosofia na Roosevelt University (Chicago, EUA). Ao explorar novas possibilidades sonoras, é cuidadoso ao tratar de parâmetros como densidade, timbre, presença ou ausência de pulso, além da interação entre os músicos.

Seu trabalho é marcado pela mescla entre composição e improvisação, sendo que a interação entre estas muitas vezes se dá pelo uso de recursos visuais, como grafismos e sinais para guiar a atuação do instrumentista, sem determinar o resultado musical. No caso do quarteto que traz a São Paulo, a improvisação ganha espaço livremente enquanto a estrutura da música é mantida por meio de dispositivos eletrônicos desenvolvidos com o programa SuperCollider.

São mais de 200 discos lançados em formatos instrumentais variados e parcerias com Max Roach, Chick Corea, Dave Holand, Wadada Leo Smith, George Lewis, Evan Parker, Derek Bailey e Richard Teitelbaum, entre muitas outras.

Nascido na cidade de Chicago/IL em 1945, viveu intensamente a cena musical de seu país, sem, no entanto, ficar preso a ela. Como descreve Derek Bailey no livro Improvisation, Braxton faz parte dos músicos que procuram estender a tradição musical da qual faz parte, e não meramente celebrá-la."
Por Juliano Gentile.


The Tri-Centric Foundation

vídeo produzido na Weslyan University, Connecticut/EUA, em que Braxton comenta uma de suas obras preferidas, a Klavierstück VI, de Stockhausen